Olhar pra dentro da gente

filme


crítica by lwg
Manchester by the Sea (Massachusetts, EUA) é um drama. Com todos os elementos que caracterizam o gênero. Mas, o que o torna um excelente drama? A condução do diretor Kenneth Lonergan: a dor e as cicatrizes são apresentadas aos poucos. Assim como a fotografia, que cria um paralelo entre as estações do ano, os ciclos da natureza e o desenrolar de nossas vidas.

A trilha sonora é a grande protagonista. Ela conduz o espectador a ir conhecendo os personagens sem pressa. Descortinando. Revelando suas histórias e sombras através da música. Em algumas cenas, o diálogo entre os personagens é substituído por nada menos que… canções. Como se fosse simples. E assim, fica à cargo do público as presumiveis interpretações.

Então, o ápice do drama, vivido pelo personagem central Lee Chandler (Casey Affleck), é dissecado ao som de Adágio de Albinoni. E aqui, o quê poderia ser o grande clichê ou deslize do diretor, ganha uma tonalidade única, afinada com o andamento e a dramaticidade que a própria obra musical impõe. Difícil desdenhar. Dificil achar too much. A sequência nos envolve de tal modo que não há tempo para críticas ou julgamentos. Apenas sentir. E tudo faz sentido.

Outra sequência magistral é o encontro do ex-casal Lee e Randi (Affleck e Willians) travando um angustiante e visceral diálogo de desculpas x culpas, entregas x fugas. Desnudados. Parece até improviso dos atores. De grandes atores.

No final do filme nos sentimos tão ligados aos personagens que não queremos que acabe (apesar de mais de 2h de projeção). Vontade de acompanhar os futuros desdobramentos, suas decisões, erros e acertos. Como um olhar pra dentro da gente. Como nos bons filmes. E fica no ar a pergunta: como teria sido nossa vida, com outro roteiro? Que tal?

Ficha técnica
Manchester by the Sea, EUA, 2016
Sinopse: Lee Chandler, zelador de um edifício em Boston retorna à sua cidade natal, Manchester, EUA, após a morte do irmão mais velho. Lá, tem encontro marcado com seu passado, seus dramas e a realidade de encarar a vida como responsável pelo sobrinho Patrick de 16 anos.
Duração: 135 min
Direção e roteiro: Kenneth Lonergan
Fotografia: Jody Lee Lipes
Múscia: Lesley Barber
Figurino: Melissa Toth
Elenco: Casey Affleck, Michelle Williams, Kyle Chandler, Lucas Hedges, Matthew Broderick, Liam McNeill, C.J. Wilson, Heather Burns, Tate Donovan, Josh Hamilton, Gretchen Mol, Tom Kemp, Mary Mallen

*Manchester by the Sea venceu o Oscar 2017 em 2 categorias: melhor ator (Casey Affleck) e melhor roteiro original (Kenneth Lonergan);
*Manchester by the Sea foi totalmente filmado na cidade de Manchester, Massachusetts, USA. Nada a ver com Manchester, UK;

Com a palavra, o povo

povo2

(pixabay.com)

Como já havia comentado por aqui, Manchester possui dezenas de museus super interessantes e conectados com passado (história) e futuro (tecnologia). A maioria tem entrada franca. E tenho aproveitado sempre que posso.

O People’s History Museu apresenta uma série de registros, mostras e espaços interativos para recordar… história. História do povo. Das pessoas e movimentos que forjaram a identidade de sua cidade, seu país. Lá, a linha do tempo nos ensina sobre os primeiros passos da Revolução Industrial (iniciada em Manchester por volta de 1830), a luta das mulheres pelo direito ao voto no Reino Unido (1897), até a Arte da Desobediência Civil: uma mostra de arte multimídia com alguns dos principais artistas sírios do momento. Nada mais atual.

Um exercício de cidadania. Para ingleses ou imigrantes. E no final da visita, uma mensagem: o “Museu de História do Povo é o museu nacional da democracia. Nosso objetivo é engajar, inspirar e informar diferentes públicos, de que sempre há uma ideia pela qual se vale a pena lutar”. E você, que ideia vale a pena lutar? Que tal?

The Queen at King's Lynn railway station

Rainha Elizabeth II na plataforma de trem de Northfolk – (people.com)

* Semana passada Her Majesty Queen of England completou 65 anos de reinado. Semana passada a rainha Elizabeth II, aos 90 anos, viajou de trem de Northfolk para Londres. Junto com o povo. Bacana.

História ao vivo

vintage-1170656_1920

                                                                                                                                       (pixabay.com)

Mesmo viajando a turismo, jornalista é sempre jornalista. Um olho nas atrações, passeios e festas, e outro nas manifestações. Nos movimentos. É bacana estar cara a cara com os acontecimentos e testemunhar a história ao vivo. Ainda que às vezes um fato leve tempo para se tornar notícia. Ou entrar para a história.

E em Berlim essa semana pude presenciar manifestações contra o presidente dos EUA (Donald Trump) em frente à embaixada Norte-Americana, no dia da publicação da medida probindo a entrada de imigrantes muçulmanos no país; Também observei as bandeiras hasteadas à meio mastro nos monumentos e instituições por toda a cidade, em memória às vitimas do ataque terrorista na cidade em dezembro do ano passado.

E na volta para casa em Manchester, mais notícias. Segue algumas atualizações, breaking news:
– Publicada a Lei Alan Turing (Turing’s Law) que concede o perdão aos gays, bissexuais e homossexuais condenados por crimes de ‘práticas ofensivas’. Até 1967 homossexualismo era crime na Inglaterra. O matémático inglês Turing é um dos grandes expoentes dos milhares de cidadãos penalizados pelo governo ao longo dos séculos. (28.01.17)
– Por 498 votos (contra 114), o Parlamento Britânico aprovou o projeto de Lei que formaliza os trâmites para a saída da União Europeia. Com a medida o governo sustenta a decisão do povo britânico no Referendo em junho de 2016, de deixar o bloco. A lei deve ser aprovada até o final de março deste ano e estipula um prazo de dois anos para a saída definitiva da UE. (01.02.17)
– O furacão Doris avança pela costa oeste da Inglaterra com ventos de até 80mph (128kmp). Meteorologistas alertam que após os ventos, o Reino Unido será atingido por uma forte onda de frio (vindo da Rússia) com mínimas de -15ºC. (02.02.17)

E eu em busca do silêncio intenso depois dos temporais! Vida é vento, ventania… Calmaria, só no calor dos trópicos… Ou não! Quais as notícias da hora onde você mora? Que tal?