Breaking news V: sinal de novos ventos

airplane-744876_1920

                                                                                                                        (pixabay.com)

A Ryanair é uma companhia aérea Irlandesa criada em Dublin em 1984. É pioneira no conceito low-cost, onde se paga o mínimo para simplesmente… voar. Despachar malas, almoço e lanchinho? Pague extra. A Ryanair inovou. E mesmo assim é uma das empresas mais criticadas pelos usuários pela dificuldade de se obter reembolso em casos de atrasos e cancelamentos, severo controle aos 10kg permitidos (e o tamanho) da bagagem de mão, pouco conforto e espaço reduzido entre os assentos.

A Ryanair já teve altos e baixos e se reinventou. Hoje é uma das principais marcas deste segmento. Fato consumado. Até aqui, nenhuma novidade neste texto. Então por que a Ryanair é notícia de última hora? Porque a Ryanair se superou. Positivamente. Os caras tiveram a coragem de mexer num grande abelheiro. Em quase todos os sites e jornais da Europa e Reino Unido desta semana, a novidade: a empresa decidiu levantar a bandeira exigindo mudanças nas regras de consumo de álcool ANTES do embarque nos voos.

O principal argumento é que, dessa forma, os aeroportos poderiam gerenciar e limitar o consumo nos bares e restaurantes, sem deixar apenas para as empresas aéreas lidarem com os problemas causados à bordo por conta dos passageiros alcoolizados (provocações, brigas, insultos, agressões e prisões).

A legislação aérea em vigor permite o consumo de 2 latas e/ou mini-garrafinhas de álcool por passageiro durante o voo. Mas sempre que estou em algum aeroporto por aqui (principalmente na Inglaterra), vejo a galera consumindo pints e pints de cerveja antes do embarque. Encrenca na certa!

O assunto é polêmico e vai longe. Quando retornei de Berlim dia desses, três cidadãos britânicos completamente bêbados foram retirados já na porta de embarque. E eram 10h da manhã. Fiquei com vontade de aplaudir. Mas, como provavelmente eu era a única brasileira no voo Berlim-Manchester, controlei a empolgação e fiquei na minha. Acho que os europeus nem ligam mais, afinal, bêbados em voos por aqui é fato consumado. Pra mim, foi um alívio. Sinal de novos ventos. Na dúvida, beba água. Que tal?

Anúncios

Dia instável

glass-2122469_1920

                                                                                                                           (pixabay.com)

Ontem à noite (22h, hora local) um ataque terrorista em Londres deixa a população e o país novamente em alerta. Foram 2 atentados em menos de 2 semanas. Num momento em que aos poucos se reconstruia a calma e o sorriso no rosto das pessoas que direta ou indiretamente foram afetadas. Isso mexe com o clima. De novo. Domingo com sol e chuva, frio e calor. Dia instável. Dia de procurar abrigo e se sentir seguro.

Londres
– 7 pessoas morreram e outras 48 ficaram feridas em três ataques simultâneos na área central de Londres;
– Os três suspeitos foram mortos pela polícia;
– Um motoristas acelerou uma van em direção aos pedestres na Ponte de Londres e ataques com facas feriram pessoas no Borough Market;
– A Primeira Ministra Theresa May pronunciou: “It is time to say enough is enough” (hora de dizer já chega);
– A campanha pelas eleições gerais no próximo dia 08 de junho foram suspensas hoje. O governo reitera que o terrorismo e a violência não podem parar o processo democrático.

Manchester
– Identificado o autor do ataque terrorista de 22 de maio: Salman Abedi, 22 anos. Nascido em Londres, filho de refugiados da Líbia;
– 8 suspeitos seguem em prisão temporária;
– Cerca de 120 pessoas ficaram feridas;
– A primeira-ministra Theresa May, a Rainha Elizabeth II e o Principe William ficaram alguns dias na cidade visitando hospitais e familiares das vítimas;
– Cerca de £2 milhões foram arrecadados para ajudar as vitimas do atentado;
– Centenas de pessoas seguem procurando postos para doação de sangue;
– Diversas ações de solidariedade se espalharam pela cidade, formando uma rede de ajuda para todos os envolvidos;
– Cidade em alerta de segurança máximo (novos ataques podem ocorrer a qualquer momento);

Logo mais à noite, âs 19h30 (hora local), a cantora Ariana Grande e convidados realizam o show beneficiente One Love Manchester no Old Trafford Stadium (do time Manchester United). O dinheiro será doado para as vítimas do atentado. A polícia prepara forte esquema de segurança e revista no local. Cidade apreensiva. Dia instável.

Para quem quiser acompanhar real time os desdobramentos dos atentados, aqui os sites de notícias que sigo:
The Guardian
Manchester Evening News
BBC Manchester
BBC News
Independent

Breaking news IV: ataque terrorista em Manchester

Ontem às 21h35 (hora GMT Londres) um ataque suicida com bomba de fabricação caseira matou 22 pessoas (entre adolescentes e crianças) e deixou mais de 59 feridos. No Manchester Arena. Em Manchester. Na cidade onde moro.

Segue um resumo do que se sabe até o momento e como está o clima por aqui:
– Há poucos minutos o EI (estado Islâmico) reivindicou a autoria do ataque;
– Um homem de 23 anos foi preso; A polícia não divulga a identidade;
– Os feridos foram encaminhados para os 7 hospitais da região;
– Telefones de emergência e redes sociais ajudam a localizar pessoas ainda desaparecidas;
– Cidade em alerta; Polícia pedindo que população evite centro da cidade e aglomerações;
– Moradores próximos à area da explosão ajudaram pessoas que saíam do show com água, lugar para passar a noite e carregar celulares;
– A Victoria Station, principal estação de trem e Metrolink, está fechada;
– Engarrafamentos em todos os grandes acessos da cidade;
Rádios, TVs e redes sociais atualizando as notícias a todo instante;
– Helicópteros seguem sobrevoando a cidade;

Eu e minha família estamos bem. Tentando manter a normalidade. Esse tipo de ameaça pra nós, acostumados a viver sitiados pela violência banalizada no Brasil, ainda era algo relativamente distante e complexa de entender. Agora é fato. Real e perto da gente.

E no meio do caos, reconfortante receber mensagens e ligações de amigos e familiares aqui da Europa, Canadá e do Brasil perguntando como estávamos. De uma certa forma, me senti bem. Dentro do que se pode estar em situações onde o medo e desconfiança de repente estampam nosso dia, tingindo de cinza e sangue um raro dia de sol em Manchester.

Breaking News III

breaking-point-1440022_1920

(pixabay.com)

Hoje é um dia histórico para o Reino Unido e União Europeia: a Primeira Ministra Theresa May entrega ao Conselho Europeu a carta formal que ativa o Artigo 50 do Tratado de Lisboa* formalizando o processo de saída da UE.

Na teoria: até março de 2019 serão estabelecidos os termos (políticos, sociais e econômicos) para a saída definitiva do Reino Unido da UE. Na prática: cerca de 3 milhões de cidadãos europeus (5% da população) estão em xeque. Em todos os termos.

Seguem algumas atualizações:
– O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, tem 48h para uma resposta formal ao anúncio;
– Como acontece em alguns países, o povo (britânico) foi às ruas nas últimas semanas em manifestações contra o Brexit;
– Como acontece na maioria dos países, as manifestações do povo não tiveram força;
– O referendo que decidiu pela saída do bloco (51,9%) ocorreu em junho de 2016; a lei foi então aprovada pelo Parlamento (13 de março de 2017) e pela Rainha Elizabeth II (16 de março de 2017);
– Atualmente cerca de 100 mil brasileiros com cidadania europeia (ou dependente de cidadão europeu) vivem legalmente no RU;
Último atentado em Londres:
– Horas após o atentado terrorista em Londres, duas pessoas foram presas aqui em Manchester por ligações ao ataque;
– Segundo representantes da polícia local, Manchester, terceira maior cidade da Inglaterra, está na lista de lugares com perigo iminente de atentados;

* O Tratado de Lisboa regula as normas da Comunidade Europeia. Foi assinado por 28 nações em 13 de dezembro de 2007 e entrou em vigor em 1º de dezembro de 2009. O Artigo 50 define a saída voluntária e unilateral da UE.

Lixo no lixo

lixo1

                                                                                                                                        lwg

O que mais me surpreendeu na primeira visita à Manchester foi a grande quantidade de lixo nas ruas. Vindo do Brasil, nada muito considerável. Mas se tratando de Inglaterra ou Europa, foi quase um choque. E em geral, os estrangeiros assim como eu, também comentam.

Mas de uma certa forma, a coisa funciona. As lixeiras são bem distribuídas pela cidade e a coleta de lixo é regular. E quando passa o caminhão, não vemos aquelas sacolas de super rasgadas espalhando tudo de novo… O recolhimento é eficiente. A reciclagem é levada à sério. Basta ajustar o hábito de se importar com o assunto.

Aqui também vejo galera jogando lixo no chão. Lá (no Brasil) também. Mas, educação é (e sempre será) a chave de tudo. Faço minha parte. E tento ensinar. Uma vez meu filho terminhou seu lanchinho e me entregou o pacotinho. Disse: Ei, não sou lixo garoto! Vamos procurar uma lixeira? Por sorte encontramos uma por perto. Que tal?

*Como funciona: no meu bairro, toda terça-feira de manhã passa o caminhão do lixo. Uma semana lixo seco, outra semana lixo geral, e assim por diante. Cada casa tem seus próprios (4) containers:
Verde: orgânico
Azul: papel
Marrom: latas, embalagens plásticas, vidro e alumínio
Cinza: todo o resto

Precisamos falar sobre isso

outro

Ben Kerckx (pixaby.com)

De 1990 a 2009, Manchester ficou conhecida na Inglaterra como GUNCHESTER, pelo alto índice de criminalidade. Na época, desemprego, pobreza, livre circulação de armas e álcool, tornaram o quadro bem dramático. Para o padrão europeu, não esqueçamos.

Atualmente, a coisa está um pouco mais controlada. Segundo o governo, a intensificação do policiamento, crescimento econômico, a prisão de grandes chefões do tráfico e o envolvimento direto de associações comunitárias contribuíram para melhorar a segurança. Dizem.

Mas, sempre há algo de podre no reino e como qualquer grande cidade (e com tantas etnias), as notícias sobre crimes e violência são muitas. Algumas realmente assustadoras. As brigas, vandalismo e ataques raciais estão por toda parte.

Ainda assim, uma violência diferente do Brasil. MESMO. Pra nós talvez um pouco menos chocante, já que infelizmente em matéria de perigo somos escolados. Tento explicar pra quem é de fora. Mas às vezes, nem quero. Como aprendi a fazer, finjo não saber, não sentir medo. Afinal, acho que cidade segura hoje em dia só no interior da Finlândia… e olhe lá. Que tal?

*Os aeroportos por aqui são sempre bem patrulhados e nas recentes visitas à Londres, a cidade estava em alerta máximo contra terrorismo. Mundo ficando chato.