Museu de futebol

nationalfootball10

                                                       Imagens de Pelé estão por toda parte no NFM – lwg

Algo como… do país do futebol (Brasil), para a terra do football (Inglaterra, 1863). Essa é a sensação de ser brasileira visitando o National Football Museum em Manchester. E aqui ao pé do ouvido: mesmo pra quem (como eu!) não é praticante/entendedor/fã/torcedor/etc, a experiência em si é uma boa pedida. Nem que seja somente para entreter os torcedores mirins em dia de chuva nas férias! (Marcelo: tentei de tudo para evitar ir num museu de futebol, mas pedido de aniversariante é pedido de aniversariante!).

Instalado num moderno e espaçoso prédio no centro da cidade, o museu apresenta diversas atrações interativas, além de uma grande coleção de artigos, material gráfico e raridades relacionadas ao futebol. Não só do Reino, claro, mas também mundial. E em ano de Copa do Mundo, tudo parece uma extensão da festa. Nada mais apropriado. Até eu entro no clima!

E as histórias contadas e recriadas a partir de desses elementos e imagens nos transportam para dentro do campo, arquibancadas, bastidores. E assim nos tornamos ingleses, brasileiros, mexicanos, uruguaios, franceses, portugueses e o que for. Unidos através do grito de gol ou do controle remoto. Que tal?

nationalfootball4

Serviço
National Football Museum
Urbis Building, Cathedral Gardens
Manchester M4 3BG
Diariamente, das 10h às 17h
Entrada franca

Summary
Football museum
Something like… from the country of ‘futebol’ to the land of football. This is the feeling for a Brazilian visiting the National Football Museum in Manchester. Even for people like me who don’t like/play/understand/support it, the experience itself is a very good tip for a rainy day in the school holidays.

Housed in a modern and spacious building in the city centre, the museum features several interactive attractions as well as a large collection of articles, graphic material and rarities related to football. Not only from the UK, of course, but also from all over the world. But in a World Cup year, everything seems like an extension of the celebration. Nothing more appropriate. Even I got in the mood.

And the stories told and recreated in all those elements and images in the museum take us into the fields, stands, backstage. And so we become English, Brazilians, Mexicans, Uruguayans, French, Portuguese or whatever country it is. United by a goal shout or the remote control. Que tal? What do you think?

National Football Museum
Urbis Building, Cathedral Gardens
Manchester M4 3BG
Free entry, open daily (10am-5pm)

Anúncios

Para sensíveis espectadores

theatre13

Um roteiro bem original para quem aprecia o mundo das artes são as visitas guiadas em teatros e museus. Não somente o caminho óbvio para turista ver. Mas aqueles na contramão do grande público… que nos levam aos porões, aos bastidores, ao som e ao cheiro dos grandes espetáculos do passado. Mas procure bem. Os segredos e marcas desse tipo de programa somente se destacam aos olhos dos mais sensíveis espectadores.

O Victoria & Albert Museum em Londres promove diariamente a atração Theatre & Performance, um tour pelo acervo dos principais espetáculos já apresentados no UK. A entrada é franca. No dia da minha visita semana passada, 34ºC na rua e uns 27ºC no interior do museu, quase perdi a vez! Haviam pensado em cancelar o tour em função do calor dentro da galeria! Eu, a única brasileira no grupo de 12 pessoas disse: oh, come on! We are gonna be fine! E deu tudo certo. Nenhum desmaio!

O espaço abriga um vasto de material relacionado a produções artísticas. A cada novo display, pelos corredores, um passeio (com 1h de duração) pelos estágios de montagem dos espetáculos. Criando, ensaiando, cenário, figurino e maquiagem, produção e divulgação. E o que mais vier.

Nas oportunidades em que fiz esse tipo de tour me deixei levar pela imaginação e recriei meu próprio espetáculo. Como hologramas do passado, personificando e imortalizando seres comuns em performances únicas, visualizei cantores, atores, bailarinos, músicos e maestros. Ouvi o silêncio, o calor, os leques, as joias, as mãos entrelaçadas, as respirações, o aplauso, o riso, o choro e a catarse do público. Me encantei com as cores, os figurinos, as luzes, a maquiagem, o suor e as expressões dos artistas quando expostos em seu espaço sagrado: o palco. Pude escutar até aquele breve e tenso respirar antes de a cortina se abrir e la magia acontecer. Muito real.

L’Opéra (Paris), Teatro alla Scala (Milão), Teatro Colón (Buenos Aires), Teatro Solis (Montevidéu), Teatro Municipal (RJ/SP) são alguns dos espaços que convidam os amantes das belas artes a adentrar nesse túnel do tempo e reviver, por alguns instantes, a mágica vida dos que viviam nos palcos da vida.

theatre12

                                                                   O guia do tour (esq. ao fundo)

Ao final do tour, o guia, um senhor de traços orientais agradece a atenção de todos e faz um pedido: que nós, público, nunca deixemos de prestigiar os artistas. É isso que os mantém vivos, declara. Que tal?

Serviço
Theatre and Performance Tour – Visita guiada
Victoria & Albert Museum, Londres, SW7 2RL
Diariamente, das 14h às 15h
Ponto de encontro: balcão de informações, entrada principal
Entrada franca

Summary
For sensitive eyes
Some of the most original tours for those who enjoy the world of arts and theatres are the guided tours through theatre wings. But take a good look. The secrets and marks of these experiences only arise for sensitive watchers.

The Victoria & Albert Museum in London presents daily Theatre & Performance, a guided tour through a large collection of material from some of the major performances ever presented in the UK. The entrance is free.

Whenever I have the opportunity to go on this type of tour I am always taken by my imagination and recreate my own performance. Like holograms of the past, embodying and immortalizing ordinary beings in unique performances, I picture singers, actors, dancers, musicians and conductors. I hear the silence, the warmth, the jewels, the clasped hands, the breaths, the applause, the laughter, the crying and the catharsis of the audience. I am enchanted by the colors, the costumes, the lights, the makeup, the sweat and the expressions of the artists when exposed in their sacred space: the stage. I can also hear that brief and tense breath before the curtain opens and the magic happens. So real.

L’Opéra (Paris), Teatro alla Scala (Milão), Teatro Colón (Buenos Aires), Teatro Solis (Montevidéu) and Teatro Municipal (Rio and São Paulo/Bazil) are some of those venues that invite lovers of fine arts to enter this tunnel of time and revive, even for a few moments, the magical life of those who lived on the stages of life.

At the end of the tour, the guide, a gentleman with oriental features, thanks everyone for their attention and makes a request: that we, the audience, never fail to honor artists. That’s what keeps them alive, he says. Que tal? What do you think?

BOX
Theatre and Performance Tour – A guided tour
Victoria & Albert Museum, London, SW7 2RL
Daily: from 2pm to 3pm
Meeting point: grand entrance
Free

Ivan Lins, cidadão do mundo!

22154704_1448273575210301_4365800549476776409_n

Ivan Lins, POA, 2017 (com Expresso 25)

Ivan Guimarães Lins nasceu no Rio de Janeiro em 1945. Carioca, brasileiro, músico dos maiores. Cultuado nos quatro cantos do planeta, é um cidadão do mundo.

Possui uma respeitada carreira artística como compositor, cantor, pianista e arranjador. Suas canções, em parceria com grandes letristas brasileiros, foram gravadas por músicos tanto do Brasil, como do exterior. E por onde quer que circule, com bandas ou orquestras, em festivais, turnês e espetáculos, alcança cada vez mais reconhecimento por sua riqueza musical, traduzindo em música um Brasil de sonho, um Brasil que encanta. Por sua natureza, sua gente, seus sons. Matéria-prima para quem, com sensibilidade e apuro estético, eleva histórias comuns a um patamar de contemplação e rara beleza.

No Brasil eu já havia assistido alguns de seus shows. Em 2017 o vocal Expresso 25 de Porto Alegre teve a honra de dividir o palco com ele, num espetáculo especialmente criado e conduzido pelo maestro Pablo Trindade. Voei de Manchester para POA e tive também a honra de participar desse inesquecível trabalho do grupo (post Simples Assim).

expresso25eivanlins

         Expresso 25 & Ivan Lins: Somos todos iguais nessa noite

E na última quinta-feira em Londres assisti a mais um show do Ivan. Dessa vez a distância foi menor, apenas 2 horas de trem. E a emoção, a mesma. Ou maior, por estar longe do Brasil. Mas isso são outrosquetais.

O concert foi numa casa noturna e durante todo o espetáculo, público cantando junto. Bonito de ouvir. Português com sotaque gringo, inglês com sotaque brazuca. Ou, simplesmente, adoradores de música brasileira. Sem nacionalidade, fronteiras ou rótulos.

Ao meu lado, na pista, um homem cantava afinadíssimo todas as canções. No ritmo, na quebrada, na harmonia. Espiei de canto de olho e, assim como minha acompanhante do show, pensei: esse cara só pode ser brasileiro! Fiquei por ali. Cantando e berrando até perder a voz! Ao final do show, já cantávamos juntos em duetos recheados de saudade (me diz, me diz, como ser feliz, em outro lugar!)… Puxo papo e pergunto em inglês: excuse me, are you Brazilian? Com um sorriso o sujeito responde: no, I am from Persia.

thejazzcafeivanlins

          Ao meu lado, o tal sujeito persa: música sem fronteiras

What? É isso. Música sem fronteiras. Adorei. Na terra da Rainha, o rei da noite, Ivan Guimarães Lins, une com sua música do mundo, um mundo de gente e culturas. Todos numa mesma voz. Que tal?

Ivan Lins, citizen of the world
Ivan Guimarães Lins was born in Rio de Janeiro in 1945. Carioca, Brazilian, a great musician. Adored in all four corners of the planet, he is a citizen of the world.
Ivan has a respected artistic career as a composer, singer, pianist and arranger. His songs, in partnership with great Brazilian lyricists, have been recorded by great names of music both in Brazil and abroad. And wherever he goes, with bands or orchestras, festivals, tours and shows, he achieves ever more recognition for his musical wealth, translating into music a dreamy Brazil, a Brazil that enchants. For its nature, its people, its sounds. Raw material for someone whose sensibility and aesthetic accurac, elevates ordinary stories to a level of contemplation and rare beauty.
In Brazil I had already watched his shows on some occasions. In 2017 the vocal group Expresso 25 from Porto Alegre had the honour to share the stage with him, in a concert especially created and conducted by Pablo Trindade. I flew from Manchester to POA and had the honor to participate in this unforgettable work by the group.
And last Thursday in London I watched another show by Ivan. This time the distance was shorter, only 2 hours by train. And the emotion, the same. Or greater, for being far from Brazil. But these are other tales.
The concert was at a nightclub and throughout the show the audience was singing along; beautiful to hear that. Portuguese with an English accent, English with a Brazilian accent. Or to put it simply: worshipers of Brazilian music. No nationality, borders or labels.
Beside me, on the dance floor, a man was singing all the songs very well. In rhythm, in harmony. I looked from the corner of the eye and like my guest that night, I thought: this guy must be Brazilian! I stood there, singing my lungs out! At the end of the show, we sang together in duets filled with saudade (me diz, me diz, como ser feliz em outro lugar!). I start a conversation and ask in English: excuse me, are you Brazilian? With a smile the guy answers: no, I am from Persia.
What? That’s it. Music without borders. I loved it. In the land of the Queen, the king of the night, Ivan Guimarães Lins, unites a world of people and cultures with his world music. In one voice. Que tal? What you think?

Liverpool além dos Beatles

Liverpool005lwg

                                                                                      Liverpool, Albert Dock – lwg

Liverpool se localiza no noroeste da Inglaterra, condado de Lancashire e possui cerca de 480 mil habitantes. Foi fundada em 1207 e atualmente é uma cidade em franco desenvolvimento e uma das mais populares do Reino.

E sim, porto onde nasceram os 4 garotos aqueles, que formaram os Beatles. Mas, confesso, como nunca fui muito fã dos caras (sorry JRF!) sempre que visito a cidade, fujo um pouco do roteiro rock and roll/beatlemaníaco/turístico/Yellow Submarine e tento conhecer uma outra Liverpool. Mas, Let it be! Para quem curte… está tudo lá. Museus, esculturas, murais, músicos tocando hits pelas ruas, souvenirs, souvenirs, souvenirs, o Cavern Club, a Penny Lane, etc. E assim, o clima é inegavelmente contagiante. (O site Viajei Bonito apresenta um roteiro para quem quiser reviver a história da banda in-loco).

E para além dos Beatles, deixe-se perder pelas ruazinhas estreitas, centros culturais e a parte mais antiga e menos prestigiada da cidade, cheia de encantos. Pode ser uma semana, um final de semana ou um Day Trip(per). Vale a visita. From me, to you. Que tal?

Lugares bacanas para quem quer conhecer a Liverpool além dos Beatles:
World Museum: espaço com múltiplas representações. O planetário oferece sessões regulares para todas as faixas etárias
Central Public Library: a biblioteca pública apresenta um grande acervo de livros e mídias, além de espaços interativos, agenda de eventos culturais e um variado café
Merseyside Maritime Museum: o museu abriga uma importante coleção de documentos, objetos e reproduções dos grandes navios e embarcações da história do porto de Liverpool
International Slavery Museum: Localizado no terceiro andar do Merseyside Museum, o local reúne depoimentos, fotos e documentos que apresentam, de forma crítica, os séculos de maus tratos, comércio e exploração dos escravos no Reino Unido e Europa
Piermaster’s House: o local era uma das casas localizada na região das docas e a única que resistiu aos bombardeios na WWII. O interior e seus objetos oferecem uma visão bem realista das residências na época
*Zé, Dani e cia: acabamos de voltar de lá e temos um mapa da cidade pra vocês!

Good vibrations!

manchester001lwg

                                                                                         University of Manchester, UK – lwg

Manchester entre as 10 cidades mais vibrantes do mundo. O quê? Sim! A revista especializada em viagens Time Out (com sede em Londres e Nova York) divulgou essa semana a pesquisa City Life Index realizada em mais de 32 centros urbanos. E o povo elegeu os lugares mais bacanas nos quesitos alimentação, cultura, preços acessíveis, cordialidade and, of course, the good vibration.

manchester011lwg

Em sétima colocação, Manchester foi destacada pelo clima de seguir em frente, não importa a situação, a grande variedade de pubs, bares e música ao vivo e o insdispensável cuppa (chá básico de todo dia!).

Cada um na sua vibe. Estou aqui há mais de 3 anos e ainda tenho muito que aprender e conhecer da cidade. Curto como posso. Mesmo trocando a noitada nos pubs por trilhas ao ar livre. E sem mais, curtam as imagens de Manchester. Às vezes, falam mais que palavras. Que tal?

Summary
Good vibrations!
Manchester is one of the most exciting cities in the world. What? Yes! The Time Out magazine published this week the survey City Life Index quizzed urbanites from 32 cities around the world on food, culture, happiness, affordability and friendliness to find the best cities for living life to the full.
According to the travel magazine, Manchester locals said that the best thing about the city is that ‘we carry on, no matter what.’ Manchester is also the place with the most people who can’t get through the day without a cuppa, while its great drinking scene, live music and friendliness saw it ranked seventh. I have been living here for more than 3 years now and I still have a lot of things to learn and know about the city. Que tal? What you think?

Marple Bridge

IMG_20170809_160224838_HDR.jpg

                                                                                                           Marple Bridge – lwg

A serra gaúcha é considerada um dos principais roteiros turísticos do Brasil. O cenário de vales, montanhas e a arquitetura com toque europeu atraem milhares de turistas todos os anos, especialmente no inverno. Pois foi pra lá que me “transportei” quando visitei Marple Bridge, cidade localizada a menos de 20km (12mi) de Manchester. Me lembrou Nova Petrópolis, Gramado e Canela.

IMG_20170809_142523804

O vilarejo fica na região metropolitana de Stockport. É cercado por colinas (formação incomum numa área essencialmente plana) e pelo rio Goyt – que originalmente ligava o comércio local entre Derbyshire e Cheshire. A charmosa ponte de pedra no centrinho da vila foi contruída no século XVII.

IMG_20170809_145203176

Atualmente, cafés, trilhas, reservas e parques tornam a região um movimentado pit-stop de esportistas, caminhantes, turistas ou apenas residentes locais que circulam por ali. Uma boa dica é a caminhada entre o Peak Forest Canal até a cidade (cerca de 4mi e 2h30).

Lembranças da serra gaúcha à parte, Marple Bridge não deixa nada a desejar no quesito natureza, charme e, claro, as coisas bacanas do inverno. Uma boa caminhada, um chocolate (ou café!) quente, ou um simples passeio. Conectando o sul do Brasil ao leste de Manchester. Que tal?

Summary
Marple Bridge
The mountain range in the south of Brazil is considered one of the main turistic hotspots of the country. Valleys, hills and the European scenario attracts millions of visitors every year, especially in the winter. Marple Bridge reminds me of Nova Petrópolis, Gramado and Canela.
This village is located in Greater Stockport. It is sorrounded by hills (a rare formation in a particularly flat area) and by the Goyt river. The charming bridge in the centre of the village was built in the 17th century.
Nowadays, cafés, trails, natural reserves and parks make the region a bustling pit-stop for sportsmen, hikers, tourists or just local residents who roam the valley.
Memories of the mountain range in the south of Brazil aside, Marple Bridge leaves nothing to be desired in terms of nature, charm and of course the cool things of winter. Connecting the south of Brazil and the east of Manchester. Que tal? What you think?
*Previsão de neve amanhã. E eu sonhando com praia…

E o verão levou…

Formbylwg

                                                                                                                                                          Formby – lwg

As águas de setembro já diminuíram (já que nunca param mesmo!), o Indian Summer nem soprou este ano (massa de ar quente que chega da Índia no final de agosto) e o outono já está nas ruas, no frio e nas folhas pelo chão. Amanhã começa oficialmente a nova estação no hemisfério norte… Mas, para mim, começou terça-feira passada, quando às 09h da manhã, caminhava na rua com 8ºC. E o verão na Inglaterra levou minha cor veranico de inverno brasileiro!

Mas pra terminar a alta temporada com estilo, aqui um pouquinho sobre duas praias (sim, praias!) que visitamos recentemente. Uma bem diferente da outra. Adivinhem qual gostei mais?

Formby
Localizada na costa oeste do país, fica bem pertinho de Liverpool. A área toda é uma reserva natural onde habita a rara espécie de esquilo vermelho e durante o ano há trilhas e passeios guiados. A praia é bem rústica com uma longa trilha de acesso. São quase 2km de caminhada pelas dunas de areia, mais 1km até a beirinha da água. O banheiro (químico – casinha de PVC) fica ao lado do estacionamento, na entrada do parque. Pense bem… Não há restaurantes, bares, aglomerações. Perfeito para um picnic de verão. A água do mar é… gélida.

Blackpool
A cerca de uma hora de Manchester, Blackpool é um balneário super popular. Quer aglomeração, agitos, famílias e máquinas de brinquedo caça-níqueis? Blackpool é a pedida. Pela beira-mar, quiosques de cachorro-quente e hamburguer, muito fish & chips, turistas ingleses queimados de sol, roda-gigante, lixo pelo chão, muvuca, lojas, compras, compras, lojas. Hoteis lotados. Perfeito para quem busca agito. A água do mar é… gélida.

 

Bem, eu amo praia. Seja onde for. Afinal, como disse Ângela, é o que a casa (o reino!) oferece. Tendo areia e água tá valendo. O sol, bem, sol é um detalhe que o verão levou… Um dia me acostumo. Que tal?

* Sim, Formby faz mais meu estilo.